No Rio de Janeiro Lei afeta atuação dos Personais em condomínio

Share on email
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram

Lei restringe atuação dos profissionais de educação física

Determinação em condomínios fecha espaços de ginástica e cerceia a atuação de personal trainer
Por O Dia

Publicado às 09h00 de 21/07/2019

Com fechamento de espaços, muitos professores particulares estão tendo dificuldades para trabalhar

Rio – A Lei 8.070/2018 já provoca impacto negativo na rotina dos profissionais de educação física. Com a determinação de obrigatoriedade de um responsável técnico em academias de condomínios, muitos professores que atuam como personal trainner perderam alunos e passaram a ter acesso restrito aos edifícios onde prestavam serviços.

Segundo relatos de profissionais, uma das causas deste princípio de recessão no meio é justamente o fechamento destes espaços. Sem condições de arcar com um profissional ou com uma consultoria esportiva terceirizada para assumir a responsabilidade pela academia, muitos condomínios já encerraram as atividades em tais ambientes com medo de autuações e multas por parte do Conselho Regional de Educação Física (Cref).

Já as academias de prédios ainda em funcionamento optaram por restringir horários para viabilizar o funcionamento. O que também cerceia o trabalho dos personal trainer, uma vez que tais profissionais, mesmo registrados junto ao Cref, não podem orientar seus alunos sem a presença do responsável exigido.

“Tem condomínios onde atuo que tem um professor, mas existem outros que não têm e onde um profissional, mesmo corretamente habilitado e com todas as anuidades do Cref em dia, não poderá atender ao seu aluno. É um absurdo e um grande exagero”, critica Alessandro Sampaio, 54 anos e 33 dedicados à educação física.

“Isso prejudica muito a categoria porque, ao onerar o condomínio, este vai optar por limitar ou extinguir os espaços, como já está ocorrendo, segundo relatos de alguns conhecidos”, conta Marcos Roberto França Júnior, de 28 anos e professor há quase três.

Um profissional que atua em academias de prédios da zona oeste há mais de cinco anos e que pediu anonimato conta que já perdeu quase metade dos alunos. Ele se diz preocupado com a situação e questiona os objetivos da legislação.

“Essa lei atende a interesses de alguém, que não são os do personal, tampouco da academia de rua, uma vez que esse tipo de aluno faz atividade física no prédio por comodidade e praticidade. Ou seja, ele não vai deixar de fazer no condomínio e ir para outro lugar, ele simplesmente vai deixar de fazer. Mas deve ter alguém ganhando com isso”, reclama.

Alessandro Sampaio também acredita que os moradores também saem prejudicados e cita dois senhores aos quais atende em condomínios da Barra como personal. “Não só nós profissionais seremos prejudicados, mas também pessoas que não vão se deslocar e nem terão um atendimento tão personalizado como o de um personal”, observa.

A lei 8.070 foi promulgada no fim do ano passado e é de autoria dos deputados Chiquinho da Mangueira (PSC), que cumpre prisão domiciliar acusado pela Operação Fuma da Onça, Comte Bittencourt (PPS) e Tio Carlos (Solidariedade) – os três sem legislatura. Em julho, o Projeto de Lei (PL) 226/19 previa alterações na legislação, mas foi derrubado em votação na Alerj.
Em nota, o Cref reitera que “tem mantido diálogo com diversos órgãos de representação da sociedade civil para alcance do verdadeiro objetivo da norma que é a prática de atividades físicas com qualidade e segurança”. O órgão participou de encontro sobre o tema na sede da OAB-RJ na última segunda (15), garantiu que está apenas advertindo os condomínios, mas alguns síndicos reclamaram que seus prédios foram autuados.

Para o ex-presidente do conselho, Eduardo Cossenza, 65 anos, um risco evidente da lei é justamente o aumento do sedentarismo. Dados do IBGE mostram que o Rio é a capital que menos faz atividade física no país.

“Pela lei a pessoa não pode fazer nada se não tiver um professor do lado. Se esse é o posicionamento e o objetivo da lei para ter melhora, vale questionar o que mata mais. Ficar parado sedentário ou fazer o exercício por conta própria? Estamos preocupados com o mercado ou com a saúde da população?”, diz Cossenza.

Créditos de imagem e conteúdo:

https://odia.ig.com.br/rio-de-janeiro/2019/07/5664568-lei-restringe-atuacao-dos-profissionais-de-educacao-fisica.html

Trainer Brasil

Trainer Brasil

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Adquira o seu livro

O guia que vai transformar sua carreira!

About Me

Clique no botão de edição para alterar esse texto. Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Ut elit tellus, luctus nec ullamcorper mattis, pulvinar dapibus leo.

Mais Recentes

Redes Sociais