Em Portugal Personais buscam isenções fiscais

Share on email
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram

Personal Trainers querem isenções fiscais

(Texto de Portugal) Técnicos de Exercício Físico (TEF) querem tratamento fiscal equiparado a paramédicos e outros profissionais de saúde. Isenção de IVA benéfica para o consumidor e para o Estado, diz parecer jurídico.

Associação Portuguesa de Técnicos de Exercício Físico (APTEF) defende que os profissionais que representa devem ter tratamento fiscal igual ao dos paramédicos e outros profissionais de saúde. Ou seja, em vez de regulados à taxa normal de IVA (23%), enquanto equiparados profissionalmente a estes, devem ser isentos de pagamento desse imposto, tal como sucede com essas categorias profissionais.

Para tal, socorrem-se de um parecer jurídico realizado pela Abreu Advogados (Alexandre Miguel Mestre e Margarida Marques Carvalho), que agora tornam público, e que menciona que o quadro de atuação dos Técnicos de Exercício Físico (TEF) deve ser inserida no conceito de “outras profissões paramédicas”, constantes no art. 9 do CIVA – artigo que isenta essas profissões do imposto.

O parecer jurídico evidencia o facto de que a isenção de IVA aos TEF, enquanto “profissões paramédicas”, em casos concretos como na atividade de personal trainer, poderá permitir a “redução drástica” do valor do IVA cobrado por estes técnicos aos ginásios, o que poderá refletir-se, no limite, numa “redução do valor das mensalidades destes estabelecimentos para benefício dos atuais e futuros utilizadores”. Como consequência, poderá ocorrer um acréscimo de procura de mais pessoas pela atividade física orientada, com possível “reflexo direto nos custos de saúde suportados pelo Estado”.

Socorrendo-se da Lei de Bases do Sistema Desportivo 1/90, janeiro de 1990, que considera os paramédicos como “agentes desportivos”, da “Lei dos Ginásios”, Lei 39/12 de agosto 2012, que rege o TEF e cujo entendimento é que o personal trainer é equiparado aos profissionais de saúde, e do artº 132 da Diretiva do IVA, que prevê isenções em beneficio de cuidados de saúde, a equipa de advogados da Abreu considera, assim, que está em causa a violação de “neutralidade fiscal” e “igualdade em matéria fiscal” pelas diferenças de enquadramento dos TEF face aos paramédicos.

Em comunicado, João Rego, presidente da Associação Portuguesa de Técnicos de Exercício Físico, embora assuma que o tema “não é novo”, salienta que a Associação não poderá ficar “indiferente” ao parecer jurídico. Desta forma, continuam a insistir para que “o Estado assuma através de medidas práticas a posição que tem defendido de apoio à atividade física da população”, acrescenta.

“A posição expressa não está isolada, pois está em sintonia com o caminho que tem sido percorrido na Europa e Portugal não pode ficar atrás. O relatório da Organização Mundial de Saúde e da Comissão Europeia não deixou dúvidas na sua análise na página 118: apenas 33% da população adulta portuguesa tem uma atividade física suficiente, valores que descem para os 12% nos adolescentes. Valores muito abaixo de países como a República Checa onde 66% da população adulta regista uma atividade física adequada”, completa o responsável da Associação Portuguesa de Técnicos de Exercício Físico.

Créditos de conteúdo e imagem:
https://24.sapo.pt/atualidade/artigos/personal-trainers-querem-isencoes-fiscais

Trainer Brasil

Trainer Brasil

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Adquira o seu livro

O guia que vai transformar sua carreira!

About Me

Clique no botão de edição para alterar esse texto. Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Ut elit tellus, luctus nec ullamcorper mattis, pulvinar dapibus leo.

Mais Recentes

Redes Sociais

CADASTRE-SE

Cadastre-se e receba gratuitamente os dois primeiros capítulos do livro, acompanhe as próximas publicações e as novidades do mercado.