Taxa paga por alunos não integra salário de personal contratado por academia

Share on email
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram

O valor pago por alunos de uma academia de ginástica diretamente ao profissional não integra o salário porque não é recebido da contratante. Com esse entendimento, a 3ª Turma do Tribunal Superior do Trabalho não reconheceu uma “taxa de personal” como parte da remuneração de uma profissional de educação física.

A autora da ação alegou que recebe uma quantia dos alunos que atende fora do horário de trabalho estabelecido pela sua academia, e pediu que esse valor fosse considerado parte de seu salário, resultando em mudanças relacionadas à benefícios e impostos, como o pagamento do terço constitucional durante as férias, 13º salário e INSS.

Em instância inferior, o pedido foi negado porque o juízo considerou que há duas relações distintas de trabalho no caso: a de emprego entre a empresa e a personal trainer e a prestação de serviço a alguns alunos. Essa duplicidade é caracterizada como sistema de trabalho híbrido.

“Como se sabe, o cotidiano indica que, em trabalhos como o da autora, há alunos que optam por determinados profissionais, que os cativam e geram uma forma de fidelidade ao trabalho da profissional, e não ao estabelecimento mantido pela ré. Este aspecto indica que a autora tinha autonomia quanto aos clientes atendidos e não a subordinação”, afirmou a decisão embargada.

Ao recorrer duas vezes ao TST, o pedido da autora foi novamente indeferido. “A Embargante, na realidade, não aponta qualquer vício no acórdão sanável pelos embargos de declaração, demonstrando apenas o inconformismo com a decisão que lhe é desfavorável”, disse o ministro Mauricio Godinho Delgado, relator do caso, seguido por unanimidade pelos demais membros da turma.

O advogado de defesa da academia, Tomaz Nina, da Advocacia Maciel, explica que a corte superior não poderia reanalisar a decisão porque não havia quaisquer características que pudessem torná-la nula. “Todas as provas já tinham sido analisadas adequadamente pelo tribunal de origem, por isso, para o TST, não há necessidade de avaliar novamente todos os argumentos e depoimentos apresentados no processo”, afirma Tomaz.

Entre no Consultor Jurídico para ler a decisão.
ED 1138-13.2014.5.09.0009
QUESTÕES TRABALHISTAS

Créditos:

Trainer Brasil

Trainer Brasil

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Adquira o seu livro

O guia que vai transformar sua carreira!

About Me

Clique no botão de edição para alterar esse texto. Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Ut elit tellus, luctus nec ullamcorper mattis, pulvinar dapibus leo.

Mais Recentes

Redes Sociais